A SMARJA DISPÕE DE UM EFICIENTE SISTEMA DE CONTROLE E DE MONITORAMENTO AMBIENTAL, SEGUINDO AS NORMAS TÉCNICAS DE PRESERVAÇÃO. O CONTROLE É FEITO ATRAVÉS DE POSTOS FLUTUANTES, LANCHAS CABINADAS E DO TIPO VOADEIRAS E DE MODERNO SISTEMA DE RASTREAMENTO POR GPS VIA INTERNET.

A empresa faz uso de alta tecnologia para medir as áreas do rio que são mineradas, levando em conta as alterações no leito do rio, as condições das margens, a qualidade da água e os organismos vivos como peixes, fauna e flora ribeirinhas.
Os procedimentos do seu Plano de Extração Sustentável, estão em consonância com padrões aplicados em vários países. Um contínuo e sistemático diagnóstico ambiental da área de mineração busca identificar e avaliar os efeitos da extração no sistema fluvial, de forma quantitativa e qualitativa.


Os principais parâmetros ambientais monitorados são:

» a batimetria do leito do rio;
» locação de precisão do Canal do Rio;
» levantamento aerofotográfico das margens (vegetação,ocupações);
» análise química e física das águas ;
» os organismos bentônicos, peixes,fauna e flora ribeirinha;
» geologia e estabilidade das margens;
» caracterização sedimentológica.

Além do controle ambiental, postos flutuantes fiscalizam de forma rígida todos os movimentos das embarcações durante a extração, garantindo os padrões de qualidade da empresa e, principalmente, o cumprimento das normas estabelecidas pelos órgãos fiscalizadores, FEPAM - Fundação Estadual de Proteção Ambiental, Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM e Marinha.

A SMARJA conta também com a tecnologia para a preservação ambiental e sustentabilidade de suas operações. Um moderno sistema de rastreamento via GPS controla, em tempo real, todo o processo extrativo das dragas em atividade nas áreas licenciadas, evitando assim, a extração clandestina e fora dos padrões determinados pelos órgãos fiscalizadores.

A SMARJA teve participação ativa para a implementação desta ferramenta, atuando em conjunto com a Câmara Técnica de Mineração do COSEMA - Conselho Estadual de Mineração - e a FEPAM - Fundação Estadual de Proteção Ambiental.

» Operação responsável

A SMARJA é uma das maiores produtoras de areia no Rio Grande do Sul e os investimentos da empresa em tecnologia e estrutura de controle, tanto em equipamentos quanto em pessoal, garantem que a mineração seja efetuada dentro das rigorosas normas técnicas e com o menor impacto ambiental possível.

» Utilizando os melhores métodos

A principal forma de extração de areia é por meio do método de dragagem por sucção,com equipamentos de dragagem acoplados em embarcações. O uso de embarcação/draga possibilita realizar as quatro operações da mineração da areia: extração, carregamento, transporte e descarregamento. Para as atividades de extração são utilizadas dragas de sucção auto transportadoras, dragas semi-fixas, e dragas de alcatruzes. Dentre as dragas de sucção merece destaque uma moderna draga de succção denominada Rotterdam, construída com base em projeto holandês, que permite a extração de um produto de maior qualidade e com eficiência ambiental.

» Controle total do processo

No controle, da produção são usados barcos cabinados totalmente equipados, com acesso a internet, GPS, ecobatímetro, rádio marítimo e equipamento de salvatagem; lanchas “estilo voadeira”, muito rápidas, além de rebocadores. Todas as dragas em atividade são monitoradas em tempo real, por meio de um sistema de rastreamento via GPS, que possibilita o controle total de todo o processo, com informações sobre o percurso, tempo de dragagem, transporte e descarregamento, entre outros. O sistema permite, inclusive, o desligamento do motor, de forma remota, caso seja necessário.

Postos flutuantes, que são escritórios informatizados, dotados de confortáveis acomodações, computadores com acesso a internet e oficina para pequenos reparos, complementam a estrutura.

» Fase final

O processo de extração se encerra com o transporte da areia até o porto de destino, o que é feito por via fluvial, em embarcação que carrega uma carga de areia 30 a 40 vezes maior do que um caminhão com a mesma potência de motor. Além da maior produtividade, os impactos ambientais do transporte fluvial da areia também são bem menores do que o transporte rodoviário, pois o consumo de óleo diesel por tonelada de areia é várias vezes menor, reduzindo significativamente a emissão de CO2 na atmosfera.

Desenvolvido por Vertigo Comunicação e Design por Fabio Bastos Designer